12 de mar de 2012

Barbárie da torcida Fúria Marcilista


Semana passada eu conversava com o técnico de ar condicionado que veio até a sala do meu trabalho resolver um problema no aparelho. Ele, torcedor do Figueirense, logo viu que a minha praia era o futebol, e a partir daí, a conversa fluiu. Os assuntos, é claro, eram o Campeonato Catarinense, a boa fase do Figueira, etc.

Mas o técnico de ar condicionado me disse uma coisa que não saiu da cabeça: “Gosto muito do Catarinense, rodo o estado todo para ver o Figueira, tudo na paz. Só não vou mais para Itajaí, lá o negócio é muito perigoso.”

Eu já tinha esta idéia também, devido ao histórico que a tal torcida possui de casos de violência em todo o estado. Enfim, aquilo não saiu da minha cabeça. Saiba agora do que aconteceu quatro dias depois:

Os torcedores organizados do Metropolitano foram em dois ônibus para Itajaí assistir à partida contra o Marcílio Dias. Dentro de campo, tudo certo, e placar de 3 a 0 para o time de Blumenau. Na saída do estádio, a polícia fez sua parte, acompanhou a torcida do Metropolitano até a saída de Itajaí. Quando os ônibus chegaram à cidade de Ilhota, foram surpreendidos por torcedores do Marinheiro que os esperavam para o combate.

Os blumenauenses não desceram do ônibus, para evitar o confronto. Com isso, os membros da tal torcida apedrejaram o veículo e atiraram também pedaços de madeira. Com a força do ataque, vidros foram quebrados e partes do ônibus ficaram destruídas, e o pior, vários torcedores do Metropolitano saíram feridos, inclusive mulheres e crianças.

Também foi registrado que dois torcedores de Itajaí esperavam a saída dos adversários com armas de fogo nos arredores do estádio. Um incidente maior foi evitado devido à escolta policial.

Um caso de violência deste porte passará em branco? Eu, assim como tantos outros, espero uma atitude severa do senhor Delfim de Pádua Peixoto Filho, ou de outro responsável dentro da Federação Catarinense de Futebol. É preciso que se encontrem os culpados, os agressores, e que a entidade Grêmio Recreativo Esportivo Torcida Organizada Fúria Marcilista, já conhecida por tantos casos de violência, sofra algum tipo de punição.

Se for preciso, eu mesmo ajudo a apontar culpados. Vejo em algumas redes sociais vários indivíduos, os mesmos dez ou quinze, propagando há anos todos os casos de violência que já fizeram com a torcida ou os que pretendem fazer. Assim não dá.

Kadu Alexandre Reis, torcedor de futebol.

Um comentário:

  1. Cara, eu só te dou um conselho: não faça mais isso.

    Não sou ninguém, apenas um estudante. Mas não acho certo você querer dedurar caras de torcida organizada. Eles fazem tudo isso por objetivos próprios, e a gente apenas tem que fazer a nossa parte: não chegar muito próximo. Quem dedura acaba se complicando, e no final das contas pode sobrar para você. Hoje em dia todo mundo faz o que quer e com coisas assim, eu prefiro me preservar.

    Apenas um conselho de apaixonado por futebol para apaixonado por futebol. Um abraço :D

    ResponderExcluir